Ministro defende educação em lugar de redução da maioridade.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Análise do relatório final da Comissão de Reforma do Código Penal no Senado, em Brasília
Em audiência pública nessa manhã na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, convocada para discutir mudanças no Código Penal, o ministro ressaltou que a falta de estrutura investigatória, acusatória e ressocializadora do sistema penal brasileiro resulta na “pouca efetividade das normas brasileiras”.

Para Sebastião Reis Júnior, o receio é que a reforma do Código Penal que tramita no Senado tenha um excesso de criminalização e crie normas que não sejam viáveis na prática, o que para ele acaba gerando um descrédito da lei.“Acho que nós temos que achar um meio termo para que Código [Penal] atenda aos reclamos da sociedade e, ao mesmo tempo, para evitar um excesso que o torne inaplicável”, ponderou.

Ele também disse que é importante o Congresso ouvir a sociedade civil, mas alertou temer que tanto o legislador como o aplicador da lei ajam motivados por atos pontuais.
Diferentemente do que entende o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e a maioria dos juristas, para Sebastião Reis Júnior a redução da maioridade penal não é inconstitucional.
Apesar disso, o magistrado não acredita que essa seja a melhor alternativa. “Reduzir a maioridade não vai resolver problema nenhum. O grande problema é a falta de preparo do Estado em dar educação e uma perspectiva de vida aos menores carentes. O Estado se omite e o crime é o caminho que acaba sendo escolhido”, avaliou, lembrando que o sistema prisional não tem condições de atender a essa demanda. Reis Júnior disse ainda que reduzir a maioridade penal é dar é voz a um desejo de vingança da sociedade.
Ainda sobre essa questão, o ministro admitiu a possibilidade de que, em situações excepcionais, adolescentes em confronto com a lei sejam tratados de forma diferenciada pela lei.
A mesma ideia é tema da proposta de emenda à Constituição de iniciativa do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), que abre a possibilidade de adolescentes em conflito com a lei entre 16 e 18 anos sofrerem uma punição diferenciada por participação em crimes hediondos (PEC 33/2012). A PEC foi rejeitada pela CCJ, mas o plenário do Senado tem que se manifestar sobre o assunto, devido à apresentação de recurso por Aloysio Nunes.
Segundo o presidente da CCJ, Vital do Rêgo (PMDB-PB), o esforço é para que, ainda este semestre, a proposta de reforma do Código Penal Brasileiro seja votada no plenário do Senado. Depois disso, a matéria segue para apreciação da Câmara dos Deputados.

Publicada lei do marco civil da internet

A norma estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil.

A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quarta-feira, 23, o marco civil da internet, lei 12.965/14. A norma estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil.

A sanção aconteceu durante a abertura do NET Mundial - encontro global multissetorial sobre o futuro da governança da internet - NET Mundial, em São Paulo. A lei foi publicada nesta quinta-feira, 24, no DOU.

Proteção de dados

A norma assegura proteção a dados pessoais e registros de conexão. O objetivo é evitar casos de espionagem como o escândalo que envolveu a NSA, agência norte-americana de informações.

"Art. 7º O acesso à internet é essencial ao exercício da cidadania, e ao usuário são assegurados os seguintes direitos:

(...)

VII - não fornecimento a terceiros de seus dados pessoais, inclusive registros de conexão, e de acesso a aplicações de internet, salvo mediante consentimento livre, expresso e informado ou nas hipóteses previstas em lei;
(...)

IX - consentimento expresso sobre coleta, uso, armazenamento e tratamento de dados pessoais, que deverá ocorrer de forma destacada das demais cláusulas contratuais;"

Privacidade

A lei também garante o direito dos usuários à privacidade. De acordo com o art. 8º, "A garantia do direito à privacidade e à liberdade de expressão nas comunicações é condição para o pleno exercício do direito de acesso à internet".

O texto determina que as empresas desenvolvam mecanismos para garantir, por exemplo, que os e-mails só serão lidos pelos emissores e pelos destinatários da mensagem, nos moldes do que já é previsto para as tradicionais cartas de papel.

Neutralidade da rede

Outro destaque da lei é a proteção da neutralidade de rede. O art. 9º dispõe que "O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicação."

Desta forma, os provedores ficam proibidos de discriminar usuários conforme os serviços ou conteúdos que eles acessam - cobrando mais, por exemplo, de quem acessa vídeos ou aplicações de compartilhamento de arquivos.

Fonte: Migalhas.

Qualificação profissional é garantia de oportunidades no mercado de trabalho


Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, todo profissional precisa estar preparado para os desafios constantes e com respostas rápidas às necessidades das organizações. É o que alerta o coordenador de cursos da área de Administração e Negócios do Senac Santo André, Aírton Rosini.
De acordo com o Rosini, o modelo industrial de divisão de tarefas, no qual cabia às gerências pensar e planejar o trabalho e ao trabalhador apenas executá-las sem pensar, está ultrapassado. "O conhecimento necessário ao exercício de qualquer profissão proporciona ao trabalhador as condições de reflexão, compreensão e desenvolvimento da criatividade", completa. Manter-se atualizado também é essencial para um bom profissional.
"O mercado de trabalho busca os profissionais não apenas os que tenham habilidades técnicas, mas também habilidades humanas e também conceituais. Eles têm que estar alinhados aos objetivos estratégicos da organização em que trabalham", esclarece.


Remuneração
Além do gosto pessoal, muitos futuros profissionais, antes de escolher uma carreira, buscam informações sobre o mercado de trabalho específico daquela área e a média salarial. Para o coordenador do Senac, as atividades que estão em evidência no Brasil e que garantem bons salários são as ligadas ao agronegócio, ramos petrolífero e mineração, engenharia, meio ambiente, construção civil, gestão empresarial, gestão financeira, gestão de pessoas, logística, marketing e vendas.
Já a coordenadora da área de informática e administração da instituição, Sílvia Olizzeri Porto, destaca a área de informática. "Se a pessoa tiver uma boa qualificação, seja um curso técnico, certificações ou graduação, vai conseguir ingressar mais rápido no mercado. "No início o salário pode não ser alto, mas geralmente profissionais que atuam na área de informática, principalmente TI (Tecnologia de Informação), têm boa remuneração", completa.
"A área de TI tem um dos melhores salários porque envolve um investimento muito alto do profissional para se qualificar. Com isso, o retorno financeiro que o funcionário proporciona para a empresa é alto, sendo revertido em um bom salário", esclarece a consultora de Recursos Humanos da Catho, Gláucia Santos.
Maurilio Travensollo, de 49 anos, trabalha há 12 anos com informática. Formado em Administração de Empresas, atua em quatro empresas como Consultor ERP/Logix. "este mercado cresce muito rápido. Não é tão simples conseguir emprego nesta área, pois algumas empresas pedem como requisito básico uma formação técnica especifica, disponível apenas para algumas classes sociais de melhor poder aquisitivo", conta o consultor.
Já a assistente de departamento pessoal Flávia da Silva optou pelos cursos de auxiliar de administração pessoal, assistente de administração pessoal, administração de recursos humanos e nações de contabilidade para para obter sucesso na carreira profissional. "Fiz todos os cursos do Senac na área de Recursos Humanos e foi a partir disso que me tornei uma profissional qualificada. Em pouco tempo tive um aumento de salário, que duplicou e passei a receber muitos benefícios", afirma.
Para a consultora de RH da Catho, as profissões que serão promissoras para ao futuro são as de TI, telecomunicações, educação e entretenimento (turismo e eventos). As que apresentam um alto grau de saturação são as relacionadas à comunicação.

fonte:http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/qualificacao-profissional-e-garantia-de-oportunidades-no-mercado-de-trabalho/15143/ 

10 atitudes que os recrutadores mais valorizam em candidatos

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Não são só as habilidades técnicas que você aprende na faculdade ou no dia a dia que interessam aos recrutadores. A maneira como você se comporta pode ser igual ou até mais importante para quem vai “bater o martelo” de uma contratação.

É o que mostra uma pesquisa feita com mais de 2,1 mil recrutadores e profissionais de recursos humanos, publicada pelo site americano Career Builder.

Segundo o levantamento, 77% dos entrevistados colocam técnica e personalidade em pé de igualdade durante a avaliação de um candidato. 

Com isso, quando dois candidatos têm um currículo semelhante, as atitudes de um deles podem ser decisivas. Um dos motivos para isso é que o perfil comportamental de uma pessoa pode falar muito (ou não) sobre sua adaptação ao novo ambiente de trabalho, segundo o que Rosemary Haefner, presidente de RH do site, sugeriu no relatório de apresentação da pesquisa. 

No texto, ela pontua que questões como solução de problemas, motivação e gerenciamento de pessoas estão intimamente relacionadas às habilidades comportamentais de um profissional. 

Segundo a pesquisa, são 10 as características de personalidade mais buscadas durante a avaliação de potenciais funcionários. Confira quais são na tabela abaixo:

CaraterísticaPercentual de recrutadores que procuram esta característica em candidatos
Ética73%
Segurança73%
Atitude positiva72%
Automotivação66%
Trabalho em equipe60%
Organização para gerenciar múltiplas prioridades57%
Capacidade de trabalhar sob pressão57%
Efetividade na comunicação56%
Flexibilidade51%
Confiança46%

Fonte: Exame.